Plantão
Políciais

Homem suspeito de 10 homicídios e balear bebê de 1 ano é preso em operação da PB

Publicado dia 04/01/2018 às 09h25min
Homem de 31 anos conhecido como 'Pará' foi preso durante Operação Arataguis das polícias Civil e Militar da Paraíba e Rio Grande do Norte.

Um homem suspeito de matar uma pessoa e deixar outras cinco baleadas, entre elas um bebê de um ano que ficou paraplégica, foi apresentado na manhã desta terça-feira (3), na Central de Polícia no bairro do Geisel, em João Pessoa. Marcos Honório Júnior, 31 anos, (conhecido como Pará) é apontado como o chefe do tráfico no Litoral Sul da Paraíba e suspeito de matar mais de 10 pessoas em dois anos, segundo a Polícia Civil.

De acordo com a polícia, entre os crimes cometidos pelo suspeito, sua esposa, Ecilana Kellyvan Melo de Oliveira, 33 anos, e seu pai, Marcos Honório (apelidado de “coroa”) estão assalto, porte ilegal de armas e tráfico de drogas. O filho e a esposa fugiram para São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, e deixaram o pai comandando o tráfico em Caaporã e Alhandra - Litoral da Paraíba - a partir de João Pessoa.

 

Polícias Civil e Militar concederam coletiva para detalhar a operação Arataguis na Central de Flagrantes, em João Pessoa (Foto: Hebert Araújo/TV Cabo Branco)

Polícias Civil e Militar concederam coletiva para detalhar a operação Arataguis na Central de Flagrantes, em João Pessoa (Foto: Hebert Araújo/TV Cabo Branco)

A polícia ainda informou que Marcos Honório foi preso no Jardim Veneza, comunidade na capital paraibana. Durante a Operação “Arataguis”, que teve dois meses de investigação, outras 16 pessoas foram presas e quatro adolescentes apreendidos.

“Não morreram só pessoas envolvidas com o tráfico de drogas, foram também pessoas inocentes. Foi um [homicídio] triplo, um [homicídio] duplo. [...] Entre eles um deixou uma criança de um ano baleada, que estava começando a andar e ficou paraplégica”, disse a delegada Flávia Assad, uma das responsáveis pela operação.

O major Flávio Lima da 1ª companhia da Polícia Militar - também participante da “Arataguis” - disse que as investigações continuam pois “a troca de peças da organização criminosa é muito rápida. Eles [os envolvidos] são muito descartáveis”, afirmou.

De acordo com o delegado Aneílto Castro, um dos responsáveis pela operação, foram apreendidas ainda nove armas, mais de 50 munições e mais de 6 kg de maconha e cocaína com os suspeitos.

Fonte: g1.com.br