Morre aos 72 anos forrozeiro conceiçãoense Pinto do Acordeon

O dia para os paraibanos começa com uma notícia triste. Morreu, na madrugada desta terça-feira (21), uma das maiores lendas do verdadeiro forró nordestino: Pinto do Acordeon, aos 71 anos, de complicações decorrentes de uma diabetes, que acabou provocando insuficiência renal e um câncer na bexiga. Francisco Ferreira de Lima, artisticamente conhecido no mundo inteiro como Pinto do Acordeon, nasceu no 18 de fevereiro de 1950, na cidade de Conceição, Sertão da Paraíba.

O cantor forrozeiro esteve internado no Hospital da Beneficência Portuguesa, onde fazia o tratamento contra a doença, mas foi liberado para ficar no apartamento de uma filha, que mora em SP, onde continuava o tratamento.

A doença se agravou demais e Pinto não resistiu as complicações e acabou falecendo, por volta das 2hs da madrugada  desta terça 21/07.

Recentemente, o portal Vale do Piancó Notícias reuniu os forrozeiros, Pangaré, seu irmão Francisco e o baterista Nenem Batera e fez uma homenagem ao cantor. Veja vídeo abaixo

Quando menino Pinto do Acordeon se interessou pela música, e era aficionado por acordeon. Mas o primeiro instrumento que tocou foi “A Tuba”. Pinto fez parte da Banda de Música da sua cidade. Depois tocou o pandeiro, órgão (numa Banda Baile) e aos 14 anos começou a tocar a sanfona. Pinto diz “Eu tocava uma sanfona emprestada durante a noite, enquanto o dono da sanfona que estava hospedado na casa do meu pai estava a dormir”.

Ele tornou-se popular a partir de apresentações que realizava junto à trupe de Luiz Gonzaga. Iniciou sua carreira na cidade de Patos e hoje é um dos ícones da música regional.

Pinto relembra a sua infância “Eu fui criado engraxando no Beco da Pimenta, varri o cinema, para de noite entrar com uma tabuleta de cigarro, chocolate e confeitos para vender. Eu fui criado trabalhando, eu estudava a noite, quando eu chegava ao colégio para estudar, eu chegava cansado de tanto trabalhar durante o dia”.

O artista recorda “Para comprar minha primeira sanfona eu tive que bater uma caieira com 40 milheiros de tijolos passei três meses batendo tijolos e era sozinho, sem ajuda de ninguém”.

Médicos formalizam que estado de saúde de Pinto do Acordeon é ...

Pinto do Acordeon declara “Luis Gonzaga foi o meu espelho”. O artista lembra, “quando ele foi tocar em Conceição, a primeira vez, ele estava se apresentando em um Grupo Escolar, e a gente moleque tudo em cima do telhado das casas, para assistir ele, não se tinha dinheiro para pagar. Foi quando Gonzaga disse lá do palco, – Olhe molecada vocês tudinho aí, amanhã vai ter um show de graça em praça pública, vou tocar no meio da rua para vocês que não tem condições de pagar”.

O artista declara que apesar da infância sem brincadeiras e ter que trabalhar muito, ele considera-se feliz “Eu sou um homem realizado, eu posso bater no peito e dizer que sou um homem realizado”.

Foi autor de sucessos consagrados por artistas como Genival Lacerda, Trio Nordestino, Os 3 do Nordeste, Fagner e Elba Ramalho; além de ter composto junto com Dominguinhos e se apresentado ao lado de Luiz Gonzaga, seu maior ídolo e de quem ganhou uma sanfona. Pinto diz nunca esquecer das palavras de Gonzaga “ Se não tiver a voz de vaqueiro, não tem voz apropriada para cantar forró”.

Em 1976, Pinto compôs a canção “Arte culinária”, uma parceria sua com Lindolfo Barbosa, fez sucesso com o Trio Nordestino. Em 1994, seu álbum “O rei do forró sou eu” contou com seus próprios arranjos, além da participação de Genário, no Acordeon; Toninho, no Contra-Baixo;  Lalá, na Guitarra; Ivo, Ivinho e Quartinha, na Percussão; Ramalho, nos Teclados; Egídio, na Flauta; e Dôra, Lilian Raquel e Robson, no Vocal. No repertório constaram doze músicas, todas de sua autoria.

Pinto emplacou a primeira canção de sucesso, “Neném Mulher”, como uma das trilhas da novela “Tiêta”, da Rede Globo de Televisão, em 1989. A história do músico sertanejo também é contada no documentário “O Brasil da Sanfona”, do cineasta Sérgio Roizenblit, que reúne mais de 50 sanfoneiros, e na recém-lançada biografia “Por Amor ao Forró – Pinto do Acordeon”, de Onaldo Rocha de Queiroga.

Ao longo de sua carreira já compôs 280 obras e gravou 486 músicas de vários compositores. Após ficar afastado dos palcos por problemas de saúde, ao retornar aos shows Pinto declarou “Minha música é minha vida. É com imensa alegria que retorno aos palcos para exercer a minha música. Minha vida é o palco e o povo se tirar isso de mim é o mesmo que morrer”.

O corpo do cantor será transladado para João Pessoa, cidade onde ele foi vereador. De lá, o corpo será transladado para a cidade de Patos, onde será sepultado.

Fonte ; Vale do Piancó Noticias

Jefferson Lima

Read Previous

Grave acidente de moto deixa 1 morto e 2 feridos em Itaporanga

Read Next

Conmebol divulga nova tabela da Libertadores

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.